Procissão_

“…é a espreita, estou à espreita de algo que passa dizendo para mim: isso me perturba, isso me afeta.” “Não acredito na cultura; acredito, de certo modo, em encontros.” Gilles Deleuze

“E eis que para devolver a sensação de vida, para sentir os objetos, para provar que pedra é pedra, existe o que se chama arte.” V.Chklovski

P

arte da beleza da arte, seja através de filmes, livros, músicas, quadros ou qualquer outro suporte, é se dar como um evento coletivo que, no entanto, afeta cada indivíduo singularmente. Por 3 dias consecutivos visitei a obra Leviathan de Anish Kapoor e, escondido furtivamente atrás de uma porta giratória, como um espectador na primeira fila do teatro observando o instante em que o ator entra em cena, pude ver o assombro e a surpresa de todos que emergiam das longas filas, frente a um objeto monumental, uma forma, uma cor. No vídeo, se por um lado a corrente contínua de curiosos atravessando as portas giratórias me parecia renovar, constantemente, a vitalidade daquela paisagem criada pelo homem, por outro, com as pausas fotográficas, pretendi esticar o tempo, prolongando o instante em que cada um saía do automatismo que nos engole no dia a dia para se reencontrar, nem que por um breve instante, com a sensação de se estar vivo. Ainda, com o título Procissão, pretendi preservar não só o enigma do que surgia aos olhos do público mas, ao mesmo tempo, evocar a experiência espiritual de cada um. Essa é uma homenagem a Kapoor e a todos que se emocionaram com sua escuridão escarlate invadindo nosso insconciente coletivo, “tão familiar como levantar o rosto em direção ao sol, fechar os olhos, e sentir o rubro sangue correndo entre às pálpebras e sua intensa luz.``

Bem Vindo!

Desejo a você uma ótima visita e espero que desfrute e se conecte com as imagens e projetos que vem me acompanhando ao longo de uma trajetória de vida. Abs!